Você está aqui: Capa » Colunas » Palavra Pastoral » Tempos perigosos

Tempos perigosos

O apóstolo Paulo, olhando para o túnel do tempo, profetizou que nos últimos dias enfrentaríamos um tempo perigoso. Na verdade, esse é o melhor dos tempos e o pior dos tempos. Vivemos o paraíso tecnológico. O futuro já chegou. A ciência deu um salto inimaginável, trazendo para a humanidade benefícios colossais: esse é o tempo da cibernética, da propulsão a jato, das viagens interplanetárias, da pesquisa espacial, do computador, da Internet, do telefone celular, do fax, da televisão. Vivemos, também, o tempo áureo das pesquisas científicas. A medicina tanto preventiva quanto interventiva avançou extraordinariamente. Temos hoje uma sobrevida maior. Temos mais conforto. A vida é mais valorizada. A indústria cresceu espantosamente. O comércio se diversificou. Muitas fontes de riqueza começaram a ser exploradas. O mundo todo virou uma única aldeia. A globalização chegou com as suas oportunidades e ameaças. Mas, ao mesmo tempo que alçamos os vôos mais altaneiros do progresso, assistimos a crise mais avassaladora que garroteia a sociedade moderna.

O tempo que estamos vivendo é perigoso porque o homem sacudiu de si o jugo de Deus e embrenhou-se pelas ínvias veredas do secularismo por um lado e dos escabrosos atalhos do misticismo por outro. Na verdade, o sociedade pós moderna rendeu-se ao antropocentrismo idolátrico. Por ter abandonado a Deus e a sua Palavra, o homem perdeu o referencial para viver. A sociedade pós moderna removeu os marcos, arrancou as balizas, abandonou os absolutos morais e capitulou-se a um relativismo ético sem freios. Nesta sociedade hedonista, o que importa é o prazer. Nesta sociedade utilitarista a lei que dita normas é a de levar vantagem em tudo, mesmo que em sacrifício da verdade e da virtude. Nesta sociedade pragmática o que interessa não é a verdade, mas o que funciona. A sociedade pós moderna não sabe mais para onde vai. Ela está perdida. Ela descobriu que não tem mais bandeira para carregar ou ideal pelo qual lutar. Os jovens, com raras exceções, saíram da trincheira da luta. Eles não têm mais sonhos. Vivemos uma espécie de torpor ideológico. As instituições estão em crise. A família caminha trôpega. A própria igreja sofre os esbarros desta confusão filosófica e desta convulsão social.

Ao mesmo tempo que somos encurralados por ameaças medonhas, temos diante de nós estupendas oportunidades. Para este mundo sem esperança temos uma mensagem viva, divina, transformadora. Para as famílias desagregadas e feridas que deixaram seus membros como náufragos no mar revolto da vida, temos uma mensagem de libertação e restauração. Para aqueles que não enxergam mais uma luz no fim do túnel, que estão com a esperança morta, vencidos pelos seus pecados, temos uma mensagem salvadora provinda do trono de Deus. A crise desse tempo final é inevitável, mas a igreja de Cristo permanecerá inabalável, ela sairá desse tempo vitoriosa! Estamos  aguardando a Volta de Cristo.

Este artigo foi visualizado: 924 vezes

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Required fields are marked *

*

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>

Scroll To Top