Você está aqui: Capa » Colunas » Palavra Pastoral » O perigo de vestir-se com um lençol

O perigo de vestir-se com um lençol

O texto de Mc. 14:51-52 relata o episódio de um jovem vestido com um lençol. A cidade de Jerusalém estava vivendo a noite mais dramática da sua história. Judas liderava a turba de sacerdotes e soldados que iam prender Jesus. Já era noite. Muitas pessoas apenas olharam a cena, mas um jovem não se conteve. Do jeito que estava enrolado em um lençol, pulou de sua cama e infiltrou-se no meio da turba que estava levando Jesus preso. Não se apercebeu que lençol  não é roupa. Não se deu conta que estava indevidamente vestido e que poderia ser desmascarado e exposto ao  vexame.

Esse jovem é um símbolo daqueles que seguem a multidão, mas sem saber direito o que está acontecendo. Ele representa os seguidores ocasionais e os discípulos de plantão. Ele estava seguindo a Jesus, mas sem medir as consequências. Ele estava vestido inconvenientemente e despreparado para enfrentar as dificuldades. O texto nos enseja algumas lições:

1- Os que se cobrem com um lençol são um símbolo dos que seguem a Cristo sem compromisso. Aquele jovem tornou-se um discípulo casual. Faltava-lhe  o compromisso com Jesus. Ele era um discípulo de improviso. Seguia Jesus movido apenas pela curiosidade. Muitos ainda hoje, estão na igreja, mas não seguem a Jesus de verdade. Estão no meio da multidão, mas não conhecem a Jesus nem tem qualquer aliança com ele.

2- Os que se vestem com um lençol são um símbolo daqueles que vivem superficialmente. O lençol era a única cobertura que aquele jovem possuía. Era, portanto, um arranjo, uma proteção superficial. Não havia mais nada além daquilo que era aparente. Quando lhe arrancaram o lençol, não havia mais nada para lhe proteger a vergonha. Há muitas pessoas ainda hoje, que vivem uma vida rasa, descomprometida, superficial. Têm apenas um verniz, uma casca de piedade, mas nenhuma essência de santidade.

3- Aqueles que se cobrem com um lençol são adeptos do pragmatismo. Eles preferem o que dá certo em lugar do que é certo. Não era certo sair de lençol, mas naquele momento deu certo. Era noite e pensou que poderia ficar despercebido. O lençol enrolado no corpo, à noite, parecia-se com vestimenta decente. A escuridão favorecia esse tipo de arranjo. Ele pensou: “ninguém saberá, então, eu vou fazer”. Sua ética era a ética do momento, da conveniência. Muitos ainda hoje agem desta mesma forma. Estão mais preocupados com resultados do que com a verdade; buscam mais a conveniência pessoal do que fazer o que é certo diante de Deus.

4- Aqueles que se cobrem com um lençol são um símbolo daqueles que não podem se defender. O jovem viu-se indefeso quando foi atacado. Ao precisar usar suas mãos, o lençol caiu e ele ficou nu. Eram suas mãos que faziam com que o lençol aderisse ao corpo. Ao liberar as mãos, o lençol caiu. Ficou vulnerável, exposto, desprotegido, nu. O inimigo agarrou o lençol, a única coisa que lhe protegia. Ficou nu. Fugiu nu. As máscaras podem nos esconder por um tempo. Mas ninguém consegue afivelar as máscaras com segurança. Uma hora a máscara cai e deixa a pessoa em maus lençóis, ou melhor, sem lençol. Há muitas pessoas que se infiltram no meio da multidão, despreparados para a luta. Na hora da crise, quem estiver trajando apenas um lençol ficará exposto ao opróbrio e à vergonha. Não é sensato vestir-se com um lençol! Você precisa trajar toda a armadura de Deus. Você precisa ser um discípulo de verdade, um seguidor de Cristo pronto a viver e morrer com ele e por ele, sem precisar fugir envergonhado.

Este artigo foi visualizado: 953 vezes

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Required fields are marked *

*

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>

Scroll To Top