Você está aqui: Capa » Colunas » Pb. Donizetti » A inveja do Pequeno Ramo

A inveja do Pequeno Ramo

Era uma vez um pequeno ramo. O pequeno ramo estava no topo de uma montanha. A montanha mais bela e alta da floresta, do lado da casa de um jardineiro trabalhador. O pequeno ramo era feliz com seus outros amigos ramos ali.

Então o tempo foi passando, e a chuva caía, e o sol nascia. E todos os ramos começaram a crescer. Os amigos do pequeno ramo, agora já não eram mais ramos, e sim, botões de flor. O pequeno ramo ficou feliz pelos amigos, e resolveu parar seu trabalho de crescimento para observá-los.

Então se passou mais um tempo e os amigos do pequeno ramo já viraram canteiros de rosa. E nada do pequeno ramo crescer. Mas dessa vez, o pequeno ramo não ficou feliz pelos amigos. Ele ficou triste. Ficou triste e chateado porque seus amigos estavam crescendo e ficando mais bonitos do que ele, simples mato amarelado.

Os amigos do pequeno ramo já eram grandes arbustos e o pequeno ramo estava tão triste de ver seus amigos tão grandes, que ele resolveu ser a praga que estragava a beleza dos grandes arbustos florais.

Agora, os arbustos deixaram cair sementes, que se multiplicaram, e que formaram um jardim. E cada vez mais, o pequeno ramo tentava estragar a beleza do jardim, se alastrando por todo o gramado.

Chegou um dia que ele ficou tão triste, mas tão triste por causa dos amigos, que resolveu se transformar em uma verdadeira praga parasita, e começou a influenciar os amigos a deixar de produzir aquelas flores tão belas, para que fossem apenas simples arbustos, e o lugar iria ficar mais bonito.

- “Simplicidade, meus colegas, simplicidade.” Ele os enganava.

Alguns caíam em sua conversa, outros não.

Até que um dia veio o jardineiro daquele lugar, com a filha pequena. A menina adorou as roseiras. Mas ela notou que havia um matinho chato as enforcando. Então pediu para o pai arrancar o que estava estragando o trabalho tão bonito do tempo, e da natureza, com seu coração todo mole pelas rosas.

Então o pequeno ramo foi arrancado. E só o que sobrou dele, foram suas folhas secas imundas, que o jardineiro recolheu, feliz por ter se livrado de uma praga inconveniente, e causado um sorriso a mais no rosto da pequena filha.

Autoria desconhecida

Este artigo foi visualizado: 2.164 vezes

Um comentário

  1. Há uma lição muito preciosa neste texto, as vezes nos preocupamos com o crescimento alheio e deixamos de crescer e deixando de crescer nasce a inveja que faz com que a admiração se torne em raiva, a raiva nos motiva a murmurar e murmurando passamos a influenciar negativamente outros que também deixaram de crescer por se preocupar com o crescimento dos outros, nos transformando em pragas, por fim nos tornamos em deserto, secos, sem vida, sem esperança e assim, incapazes de gerar vida e esperança, mas, nem tudo esta perdido, pois Deus é aquele que transforma o deserto em mananciais de água, é aquele que faz nascer fontes nos vales, é aquele que faz nascer a árvore e ainda a faz dar frutos para a glória de seu santo nome como esta escrito em Ísaias 41.18-20. Que Deus vos abençoe.

    Coop. Cássio R Oliveira Uberlândia 26/06/2013

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Required fields are marked *

*

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>

Scroll To Top